HOW TO SHOP

1 Login or create new account.
2 Review your order.
3 Payment & FREE shipment

If you still have problems, please let us know, by sending an email to support@website.com . Thank you!

SHOWROOM HOURS

Mon-Fri 9:00AM - 6:00AM
Sat - 9:00AM-5:00PM
Sundays by appointment only!

MINICURSOS

EMENTA: Devido a grande necessidade dos recursos computacionais nas pesquisas científicas, este curso propõe aos alunos e profissionais da saúde o conhecimento acerca da criação e validação do banco de dados no software EPI INFO. A qualificação nesta área é de grande importância uma vez que, quando melhorada a qualidade dos bancos produzidos, maior será a confiabilidade da pesquisa realizada. Ainda, a validação e o uso de métodos estatísticos na pesquisa científica aumenta consideravelmente as chances dos artigos serem aceitos nas revistas científicas.
MINISTRANTE: Alessandro Henrique da Silva Santos (UFPE)
DIAS: 14 e 15 de junho de 2017
HORÁRIO: 14h às 17h
LOCAL: BALL ROOM

Carga Horária: 6h

Vagas Disponíveis: 0

EMENTA: Proporcionar fundamentação teórica e metodologias para o estudo da autofagia, assim, compreender as bases que fundamentam potenciais vias de sinalizações para a neurociência e no câncer.
MINISTRANTES: Gustavo José da Silva Pereira (UNIFESP)
DIAS: 15 de junho de 2017
HORÁRIO: 14h às 18h
LOCAL: BALL ROOM

Carga Horária: 4h

Vagas Disponíveis: 0

EMENTA: As doenças de origem zoonóticas têm apresentado, nos últimos anos, uma grande importância na saúde pública devido à emergência ou reemergência de algumas destas enfermidades em nível local, nacional e global. No contexto de saúde única, a Organização Mundial de Saúde tem demostrado certa preocupação com o aumento de casos de enfermidades zoonóticas que vem surgindo ou emergindo em alguns países ou regiões do planeta, aumentado a morbidade e a mortalidade das populações afetadas. Outro fator de preocupação é que estas enfermidades estão surgindo em países pobres ou em desenvolvimento, os quais não possuem um bom sistema de saúde pública ou de monitoramento epidemiológico estruturado. Não é de hoje que as zoonoses causam preocupação aos profissionais envolvidos em saúde pública. Porém, o processo de migração para os centros urbanos, a necessidade de consumo de proteínas de origem animal, a criação de animais de companhia, a interferência do homem no ambiente, como também, a manipulação de animais em centros de pesquisa podem potencializar ou favorecer o surgimento de enfermidades que acometem os animais e os seres humanos. Neste trabalho serão abordados, de forma expositiva, os aspectos epidemiológicos de enfermidades como o “Mal da vaca louca” (Encefalopatia espongiforme bovina), a raiva, a leptospirose, a tuberculose (M. Bovis), a cisticercose, a esporotricose, a leishmaniose, a febre amarela e até o Zika, as quais têm os animais domésticos ou silvestres como transmissores ou reservatórios destas enfermidades zoonóticas. Neste contexto, é proposto um minicurso em que os diversos profissionais envolvidos nas atividades de saúde pública possam ter maior conhecimento dos aspectos relacionados à epidemiologia destas enfermidades e possam contribuir para o diagnóstico, prevenção e controle destas zoonoses.
MINISTRANTE: Osvaldo Silva Barbosa (UNINASSAU); Diogo da Costa Soares (IDIARN)
DIAS: 15 de junho de 2017
HORÁRIO: 14h às 18h
LOCAL: BALL ROOM

Carga Horária: 4h

Vagas Disponíveis: 0

EMENTA: A discussão sobre a saúde da população LGBT na atualidade é bastante cara no que corresponde ao acesso e efetivação dos direitos universais garantidos constitucionalmente aos cidadãos brasileiros. A demanda por políticas públicas na área da saúde constitui uma das bandeiras de luta da organização social desse segmento populacional. Diante da atual conjuntura, se faz necessário pensar uma formação profissional que fomentem discussões em torno da saúde LGBT, para que práticas de pura violência institucional impulsionada pela falta de conhecimento de como lidar com as demandas específicas desses usuários, não se reproduza. Inserido da área temática da Saúde Coletiva e pautada na perspectiva teórico-metodológica da educação popular em saúde, a oficina se propõe a promover através de debates em torno das questões e demandas especificas para a população LGBT no âmbito do SUS, uma construção ativa e horizontal do conhecimento, com o objetivo de possibilitar uma troca de experiências e opiniões sobre os temas que assolam a saúde dos sujeitos LGBTs, de forma a pensar, coletivamente, estratégias de promover a inserção ainda maior desta população, na implementação de políticas públicas, no controle social do SUS, como também nos espaços de resistência para prosseguirmos na luta pelo fim da LGBTfobia institucionalizada nos serviços de saúde. O mini curso iniciará com uma rodada de apresentação, seguida da exibição do curta metragem “Mundo ao contrário” que estimula a empatia e o processo de reflexão dos participantes acerca das opressões ao qual os LGBTs estão expostos. A partir da técnica “Tempestade de Ideias” será construído coletivamente os conceitos de Saúde, Integralidade, Equidade e Universalidade, de forma a provocar um debate em torno da formulação de políticas públicas de saúde para a população LGBT. Após esse momento, diversas temáticas e demandas específicas da população LGBT serão expostas e discutidas, finalizando com a discussão de um estudo de caso em um serviço de saúde onde o usuário LGBT teve seus direitos negligenciados.
MINISTRANTE: Jonatan Willian Sobral Barros Da Silva (CPqAM/FIOCRUZ)
DIAS: 15 de junho de 2017
HORÁRIO: 14h às 18h
LOCAL: BALL ROOM

Carga Horária: 4h

Vagas Disponíveis: 27

EMENTA: Os micro-organismos apresentam uma imensa diversidade genética e desempenham funções únicas e cruciais na manutenção de ecossistemas, como componentes fundamentais de cadeias alimentares e ciclos biogeoquímicos. A Biotecnologia é baseada na busca e descoberta de recursos biológicos industrialmente exploráveis. Uma abordagem clássica das etapas do processo de busca e descoberta biotecnológica passa resumidamente pela coleta de material biológico adequado, seguida da seleção e triagem de materiais com os atributos desejados, seleção final do melhor candidato e culmina com o desenvolvimento de um produto ou método industrial. Portanto, a Biotecnologia Microbiana apresenta-se como resultado da interação entre as ciências naturais e as engenharias que possibilitam a aplicação dos micro-organismos em diversos processos biotecnológicos. Essa proposta justifica-se pelo fato da Biotecnologia Microbiana ser, atualmente, uma das áreas de pesquisa que mais recebe atenção e investimentos, alia-se a isso o aperfeiçoamento da tecnologia do DNA recombinante permitindo a utilização dos micro-organismos em diversas aplicações industriais, principalmente na indústria farmacêutica, para produção de produtos que contribuam para o estabelecimento da saúde dos indivíduos, como medicamentos obtidos a partir da exploração do potencial metabólico desses organismos e a produção de vacinas através das diversas técnicas e ferramentas oriundas da Biologia Molecular. Essa temática é de interesse de diversas áreas da saúde, em especial da Medicina, Farmácia, Biomedicina e Ciências Biológicas. Pretende-se na realização do mini-curso apresentar aos alunos os conteúdos teóricos sobre a fisiologia dos micro-organismos e das técnicas moleculares utilizadas na obtenção de produtos de importância para a saúde, desenvolvendo o senso-crítico na seleção dos sistemas genéticos mais adequados para esse intuito. A apresentação desses conteúdos será realizada através da exposição dialogada, com a discussão de exemplos práticos presentes no dia a dia de produtos oriundos da Biotecnologia Microbiana.
MINISTRANTES: Igor Felipe Andrade Costa de Souza (FACIPE)
DIAS: 15 de junho de 2017
HORÁRIO: 14h às 18h
LOCAL: BALL ROOM

Carga Horária: 4h

Vagas Disponíveis: 1

EMENTA: O desenvolvimento de biomateriais é uma área da saúde que tem avançado bastante nos últimos anos, com o objetivo de acelerar processos de reparo, regeneração e até crescimento de células e tecidos humanos. Imaginava-se que a quarta geração de biomateriais, isto é, a engenharia tecidual seria o clímax do avanço desta área da ciência de materiais, mas, a inovação e desenvolvimento tecnológico apresentaram uma nova geração de biomateriais conhecida como bioimpressão, onde órgãos inteiros têm sido impressos. Desta forma, o conhecimento dos avanços no desenvolvimento de biomateriais é de fundamental importância para todos os profissionais de saúde, a fim de proporcionar a população um tratamento de excelência, seja na saúde pública ou para pacientes particulares. O objetivo deste minicurso é apresentar aos profissionais de saúde e acadêmicos os principais conceitos e avanços atuais no desenvolvimento de biomateriais, com ênfase na inter-relação células-tecidos-materiais. Para tanto, inicialmente será feita uma abordagem sobre conceitos básicos e classificação dos materiais. Em seguida, serão apresentados os principais avanços e aplicações destes materiais em diversas áreas da saúde como odontologia, medicina, enfermagem, fisioterapia, farmácia e outras, com ênfase na engenharia tecidual e bioimpressão. Será dado um destaque para o desenvolvimento de biomateriais do fosfato de cálcio Hidroxiapatita na regeneração e reparo de tecidos moles e tecidos mineralizados como ossos e dentes. Também será realizada uma mesa demonstrativa com alguns biomateriais utilizados na odontologia. Desta forma, espera-se suscitar nos participantes a possibilidade da utilização destes materiais inovadores em seu cotidiano, bem como o desafio de pesquisas no desenvolvimento de biomateriais mais acessíveis para as populações mais carentes como a hidroxiapatita, de forma a levar excelência para o tratamento de lesões de órgãos e tecidos humanos, barateando os custos de produção por meio do desenvolvimento de produtos nacionais.
MINISTRANTES: Criseuda Maria Benício Barros (UEPB); Darlene Cristina Ramos Eloy Dantas (UEPB); Ítalo de Lima Farias (UEPB)
DIAS: 15 de junho de 2017
HORÁRIO: 14h às 18h
LOCAL: BALL ROOM

Carga Horária: 4h

Vagas Disponíveis: 0

EMENTA: Resumo: As doenças tropicais negligenciadas (DTNs) afetam principalmente, mas não exclusivamente, populações pobres nas regiões mais vulneráveis e miseráveis do planeta. De acordo com a Organização Mundial da Saúde, atualmente 17 doenças são classificadas como DTNs e dentre estas se destacam as causadas por parasitas, a exemplo de doença de Chagas (tripanossomíase americana), leishmaniose, malária, esquistossomose e outras helmintíases transmitidas pelo solo. Tais doenças impõem limitações sérias às sociedades atingidas, levando a um panorama de enfermidade, sofrimento, incapacidade e morte, com graves consequências sociais, econômicas e psicológicas para milhões de homens, mulheres e crianças. Já há muito tempo, mas principalmente na última década, estão em pauta nas principais agendas internacionais as formas de combate, erradicação, prevenção e tratamento das principais doenças parasitárias. Portanto, o curso de caráter teórico oportunizará aprimoramento e conhecimentos atualizados a cerca das doenças tropicais parasitárias negligenciadas, mais frequentes no Brasil. O conteúdo tem como finalidade dar embasamento quanto à morfologia, biologia, transmissão, epidemiologia dos parasitas e profilaxia, patogenia, sintomatologia, diagnóstico e tratamento das doenças por eles causadas, com intuito de estimular e contribuir de forma efetiva nos trabalhos de parasitologia humana e na educação para a saúde. Será realizada apresentação do conteúdo teórico aliado aos dados mais recentes a cerca dos estudos de parasitas e doenças parasitárias de maiores incidências no Brasil. A presente proposta contribuirá de maneira significativa para formação dos futuros profissionais da área de saúde ao passo que subsidiará os conhecimentos a cerca do estudo da parasitologia humana, além de por em discussão o que há de mais moderno a cerca de dados científicos na área e demonstrar os principais desafios encontrados.
MINISTRANTE: Iara Bezerra de Oliveira (UFCG)
DIAS: 15 de junho de 2017
HORÁRIO: 14h às 18h
LOCAL: BALL ROOM

Carga Horária: 4h

Vagas Disponíveis: 0

EMENTA: As lesões por pressão (LP) têm acometido muitos pacientes nos serviços de saúde e por isso é importante a atuação da equipe de enfermagem. Tais lesões têm grande impacto social, econômico nas instituições de saúde e na qualidade de vida dos pacientes. Neste minicurso, serão apresentados temas importantes, como epidemiologia, escalas de avaliação de risco, aspectos preventivos, além de discussão de casos clínicos. Os participantes terão a oportunidade de interagir diretamente com os tutores e interagir na troca de experiências, com relatos vivenciados sobre a temática proposta. Objetivo: Elencar as estratégias de enfermagem na prevenção de lesões por pressão. Público alvo: Profissionais (Enfermeiros, Técnicos/Auxiliares de Enfermagem) e estudantes de enfermagem ou outros profissionais de saúde interessados na temática.
Conteúdo programático:

• Definições;

• Politicas de saúde e normas brasileiras relacionadas às lesões por pressão;

• Fatores de risco e fisiopatologia;

• Classificação e Estágios das lesões;

• Avaliação do risco para lesão por pressão

• Avaliação da Pele: como Realizar

• Medidas Preventivas Conforme Classificação de Risco

• Diferentes tipos de coberturas com suas respectivas especificações a fim de garantir a adequada prevenção da LP.
MINISTRANTES: Belarmino Santos de Sousa Júnior (UFRN); Cecília Nogueira Valença (UFRN); Ana Elza Oliveira de Mendonça (UFRN)
DIAS: 15 de junho de 2017
HORÁRIO: 14h às 18h
LOCAL: BALL ROOM

Carga Horária: 4h

Vagas Disponíveis: 1

EMENTA: Legislação sobre prescrição farmacêutica (585/2013 e 586/2013) e casos clínicos envolvendo, saúde baseada em evidências científicas, fisiopatologia, semiologia farmacêutica, comunicação interpessoal, medidas não farmacológicas e farmacológicas.
MINISTRANTE: Egberto Santos Carmo (UFCG)
DIAS: 15 de junho de 2017
HORÁRIO: 14h às 18h
LOCAL: BALL ROOM
IMPORTANTE: PARA ESTE MINICURSO OS PARTICIPANTES DEVEM LEVAR NOTEBOOK INDIVIDUAL.

Carga Horária: 4h

Vagas Disponíveis: 1

EMENTA: A violência obstétrica caracteriza-se pela apropriação do corpo e processos reprodutivos das mulheres pelos profissionais de saúde, através do tratamento desumanizado, abuso da medicalização e transformação de processos naturais em processos patológicos, causando a perda da autonomia e da capacidade de decidir livremente sobre seus corpos e sexualidade, impactando negativamente na qualidade de vida das mulheres. A temática é relativamente recente e emergente no campo da saúde coletiva, em face a necessidade de se apresentar a violência obstétrica como uma expressão da violência contra a mulher. O objetivo do minicurso é abordar a política nacional de humanização do pré-natal e do nascimento, apresentar aos estudantes e profissionais de saúde a definição de violência obstétrica, passando pela exposição dos procedimentos realizados durante o parto e puerpério sem respaldo científico e, concluindo, por apresentar os impactos da violência obstétrica na vida das vítimas apresentando dados de pesquisas internacionais e, entre elas da pesquisa realizada na maior maternidade do município de Campina Grande - PB. O minicurso será dividido em três momentos: (1) formação de uma roda de conversa onde serão expostas as diferentes formações acadêmicas dos componentes do curso, seguido de explanação sobre o que seria violência obstétrica na ótica de cada participante; (2) explanação sobre a definição de violência obstétrica e revisão acerca dos procedimentos comumente utilizados na assistência ao parto que não possuem respaldo na literatura científica; (3) caracterizar a violência obstétrica como uma expressão da violência contra a mulher, apresentar dados das pesquisas nacionais e locais que ressaltam os prejuízos psicológicos e físicos de um parto violento. Espera-se que ao final do minicurso os participantes possam perceber que promover e disseminar as boas práticas baseadas em evidências podem ser estratégias para o combate da violência obstétrica, abandonando-se procedimentos e rotinas obstétricas obsoletas e/ou desnecessárias.
MINISTRANTE: Thales Araújo Ferreira (IPESQ)
DIAS: 15 de junho de 2017
HORÁRIO: 14h às 18h
LOCAL: SALÃO CIRCULAR

Carga Horária: 4h

Vagas Disponíveis: 21

EMENTA: A proposta deste minicurso é promover o aprendizado em fitoterapia no apoio ao tratamento do excesso de peso, no manejo do controle glicêmico e nas disfunções tireodianas. A prevalência de patologias sistêmicas como desordens metabólicas, doenças autoimunes ou de natureza hormonal tem aumentado nos últimos anos com a melhoria da expectativa de vida da população. Diabete melittus (DM), hipotireoidismo, hipertireoidismo, hipoparatireoidismo e hiperparatireoidismo. Este minicurso pretende mostrar a contribuição da fitoterapia no tratamento das doenças endócrino metabólicas abordando os conteúdos: Fisiopatologia do excesso de peso; Alterações endocrinometabólicas no excesso de peso; Fitoterapia no apoio ao controle glicêmico; Fitoterapia no tratamento do excesso de peso; Fitoterapia no controle de disfunções tireodianas. A presente proposta de minicurso irá contribuir para a conduta dos profissionais que atuam com pacientes com essas patologias A estratégia de desenvolvimento do minicurso consta com exposição dialogada com apresentação de conceitos teóricos, revisão sistemática de estudos de caso e informações uteis como resoluções e principais princípios ativos recomendados sobre o tema. Os recursos que serão utilizados para o desenvolvimento do minicurso são: Quadro acrílico, pincel para quadro acrílico, apagador, data show. O minicurso terá uma carga horária: 04hs e destinara-se a todos os profissionais da área da saúde.
MINISTRANTE: Priscila Osório Fernandes (IFPI); Maiane Alves de Macedo (Hospital Universitário Dr Washigton Antonio de Barros)
DIAS: 15 de junho de 2017
HORÁRIO: 14h às 18h
LOCAL: SALÃO CIRCULAR

Carga Horária: 4h

Vagas Disponíveis: 0

EMENTA: O presente projeto apresenta uma proposta de capacitação em Ginástica Laboral visando a renovação dos conhecimentos teóricos e práticos dos profissionais e acadêmicos que atuam dentro deste campo. De acordo com o CONFEF, 2015 (Conselho Federal de Educação Física) a Ginástica Laboral é o melhor recurso para reduzir lesões e doenças osteoarticulares decorrentes do trabalho, sobretudo no que se refere à melhora da qualidade de vida e do bem estar dos funcionários. É possível perceber que, a ginástica laboral chama a atenção de profissionais e empresas em função da série de benefícios que ela traz por meio de atividades que visam o bem estar de uma equipe de trabalho, além de diminuir ocorrências de problemas de saúde, aumentando assim o rendimento do profissional. No entanto, a eficácia de um programa de ginástica laboral depende, entre outros fatores, da participação dos colaboradores, da capacidade técnica e criatividade do profissional que orienta as sessões, portanto, o curso reforça a relevância da Ginástica Laboral para prevenção e redução de lesões e distúrbios osteomioarticulares verificados em funcionários de diversas ocupações profissionais, bem como a comprovação da importância da atuação de profissionais da área da saúde capacitados, qualificado e habilitados para conduzir projetos e programas de Ginástica Laboral. O objetivo geral do curso é capacitar profissionais e acadêmicos de Educação Física para planejar, executar e orientar sessões de ginástica laboral por meio de conhecimentos teóricos e práticos específicos deste campo de intervenção. Os conteúdos serão trabalhados por meio de aulas práticas contextualizando os exercícios com os pressupostos teóricos que norteiam a ginástica laboral e suas tendências mais atuais. As práticas envolvem trabalhos individuais e em equipe nas quais serão avaliadas as capacidades de cooperação, criatividade e iniciativa dos participantes.
MINISTRANTE: Francisco Edson Pereira Leite (Centro Universitário Estácio da Amazônia)
DIAS: 15 de junho de 2017
HORÁRIO: 14h às 18h
LOCAL: SALÃO CIRCULAR

Carga Horária: 4h

Vagas Disponíveis: 0

EMENTA: Após o término do Projeto Genoma Humano, houve um avanço em diversas áreas de pesquisa, com destaque para a nutrição, surgindo assim a Nutrigenômica. Definida como alterações nos fatores reguladores de nutrientes e componentes alimentares bioativos com o DNA e RNA. Essas alterações estão relacionadas a mecanismos epigenéticos definidos como modificações genômicas que resultam de alterações na função do gene sem que ocorram modificações no sequênciamento dos nucleotídeos, essas marcas são reversíveis e adaptáveis a fatores externos, sendo reguladas por vários mecanismos. Além da metilação do DNA pode ocorrer modificação de histonas e RNAs não codificantes. A nutrigenômica favorece a elaboração de recomendações dietéticas baseadas no genótipo, tornando-se uma ferramenta eficaz na prevenção e tratamento de diversas doenças, principalmente as crônicas não transmissíveis. A identificação de diversas necessidades nutricionais individuais e diferentes respostas à dieta estão revolucionando padrões de atendimento nutricional, gerando novas possibilidades para intervenções dietéticas personalizadas, representando um avanço na área da nutrição. Para elaborar estratégias dietéticas individualizadas, é fundamental o uso das tecnologias da biologia molecular, permitindo investigar as interações gene-nutrientes, que podem ditar recomendações dietéticas baseadas no genótipo. Dadas às implicações médicas e de saúde pública, alguns estudos têm examinado o potencial da herança epigenética no risco metabólico nutricional em populações humanas. A promessa da genômica nutricional é que ela vai ajudar a elucidar a forma como a nutrição poderá manter um individuo saudável e contribuir na prevenção de doenças, como diabetes mellitus tipo 2, obesidade, inflamação e distúrbios cognitivos através dos efeitos dos nutrientes sobre o epigenôma. Pouco se conhece sobre a influência do metabolismo dos nutrientes no controle dos mecanismos epigenéticos, como por exemplo o consumo de folato, abaixo das recomendações, pode levar ao silenciamento do gene MTHFR o qual desempenha um papel importante na nova síntese de purinas e pirimidinas, os quais são necessários durante a replicação e reparação de DNA. Porém, sabe-se que genes envolvidos no metabolismo podem contribuir para diferenças entres os indivíduos em relação às necessidades de nutrientes e susceptibilidade a diversas patologias. Nos últimos anos, uma série de estudos estão sendo realizados para compreender a influência de diferentes compostos nutricionais (macronutrientes, micronutrientes, fitoquímicos, antioxidantes, etc.) sobre a alteração de marcas epigenéticas e, conseqüentemente, na regulação da expressão gênica e a probabilidade de desenvolver ou prevenir doenças. Foi proposto, que as alterações na (dietas ricas em gordura ou de baixa proteína) dieta paterna ou então uma história prévia de exposição intra-uterina a restrição calórica materna pode resultar em aumento do risco metabólico na prole (também conhecido como teoria de Barker). As condições nutricionais durante o desenvolvimento uterino pode ter efeitos mais tarde na vida, e influenciar a ocorrência de alterações no metabolismo e doenças durante a fase adulta. Estudos pré-clínicos e clínicos têm demonstrado que a exposição aos desafios ambientais, modificam as marcas epigenéticas, e que a maioria das pesquisas tem se concentrado em metilação do DNA. Portanto, estudos em humanos são necessários para melhor elucidar as vias que o consumo dos macronutrientes e micronutrientes podem alterar os mecanismos epigenéticos.
MINISTRANTE: Keylha Querino de Farias Lima (UFPB); Erika Epaminondas de Sousa (UFPB); Nadjeanny Ingrid Galdino Gomes (UFPB)
DIAS: 15 de junho de 2017
HORÁRIO: 14h às 18h
LOCAL: SALÃO CIRCULAR

Carga Horária: 4h

Vagas Disponíveis: 0

EMENTA: Compreender a complexidade do câncer e utilizar desse conhecimento para elaborar estratégias terapêuticas é, sem dúvidas, um dos grandes desafios em saúde do século XXI. Assim, a incessante busca por biomarcadores específicos e sua utilização como ferramenta para o tratamento clínico dessa patologia é um caminho árduo a ser trilhado por profissionais da área das ciências biológicas e da saúde, necessitando, para tanto, de uma formação que os tornem aptos a entender a morfofisiologia da doença, suas estratégias de resistência, e sobretudo, dar suporte para a inovação terapêutica. Nesse contexto, os objetivos do minicurso são: (I) entender o processo de carcinogênese e seus fatores facilitadores; (II) compreender as relações tumor-matriz e sua influência na resposta ao tratamento; (III) sistematizar a evolução das terapias anticâncer ao longo dos anos; (IV) destacar novos biomarcadores, potentes alvos terapêuticos; (V) descrever algumas tecnologias farmacêuticas para melhorar a eficiência dos fármacos e (VI) fomentar problematizações a cerca das limitações ainda existentes para as terapias, discutindo possíveis soluções para os problemas encontrados. O minicurso terá a duração de 4 horas, com uma abordagem teórica e um delineamento crítico-descritivo, sendo dividido em cinco momentos: (1) Gênese e dinâmica do câncer, (2) Terapias convencionais, (3) Novos biomarcadores, (4) Novos sistemas de entrega de fármacos como inovação terapêutica e (5) limitações das terapias. No que se refere à proposta formativa, o minicurso visa contribuir com a clarificação à respeito da terapêutica, ressaltando a importância de novos biomarcadores e potenciais candidatos a novos fármacos, propiciando uma ampliação na compreensão, por parte dos profissionais de saúde, de como um genótipo heterogêneo somado a um ambiente seletivo podem interferir nos rumos do tratamento, tornando-os aptos a discutirem sobre os benefícios e limitações de diversas terapias. Assim, a proposta defende uma abordagem essencial para promoção de profissionais eficientes na identificação e resolução de problemas.
MINISTRANTE: Geilza Carla de Lima Silva (LIKA/UFPE)
DIAS: 15 de junho de 2017
HORÁRIO: 14h às 18h
LOCAL: SALÃO CIRCULAR

Carga Horária: 4h

Vagas Disponíveis: 1

EMENTA: A reorientação do modelo assistencial de saúde, no Brasil, apresenta um novo paradigma pautado na produção de sentido nas intervenções em saúde, que devem direcionar as práticas de cuidado na atenção básica. Esta nova lógica desafia os mais diversos profissionais que a compõe a desenvolverem estratégias integrativas e complementares grupais. Neste cenário, surge a Tenda do Conto como uma prática integrativa, atravessada por uma concepção teórica das metodologias participativas, potencializando o cuidado em saúde e a atenção psicossocial. Essa estratégia, voltada para o processo grupal de narrar-se, possibilita trocas afetivas, escuta, produção de sentidos, ou seja, a afetação ganha vida com as vozes. Assim, o objetivo deste minicurso é apresentar ás concepções históricas e metodológicas que alicerçam a Tenda do Conto, problematizar o uso da narrativa e das metodologias participativas como instrumentos de promoção de saúde. Para isso, após a exposição teórica a Tenda do Conto será desenvolvida. Todos os inscritos no minicurso devem levar um objeto que guarda com carinho e com afeto para que a atividade prática seja desenvolvida. Espera-se, que ao final os participantes compreendam os fundamentos da Tenda do Conto e sintam-se sensibilizados a utiliza-la em seus contextos.
MINISTRANTE: Elias Fernandes Mascarenhas Pereira (UNIVASF)
DIAS: 15 de junho de 2017
HORÁRIO: 14h às 18h
LOCAL: SALÃO CIRCULAR

Carga Horária: 4h

Vagas Disponíveis: 0

EMENTA: O treinamento de força consiste em treinar contra uma resistência, e é comumente associado a musculação. No enteando, há várias outras formas de treinamento como a calistenia e o treinamento resistido manual. Diferente dos métodos tradicionais, o treinamento resistido manual utiliza resistência humana, e devido a isso facilita sua aplicação em locais como escolas e casas. O objetivo do curso é apresentar o método e justificar cientificamente sua aplicação, além disso será apresentado a importância do treinamento de força em populações que melhor se aplica o método, como crianças e idosos, e também meios para sua utilização. Em relação a carga horaria, três horas serão destinadas a apresentação oral, uma hora para prática e resolução de dúvidas. O conhecimento de novos métodos contribui para formação de profissionais com mais recursos, podendo ampliar sua linha de atuação.
MINISTRANTES: Yago Pessoa da Costa (UPE/UFPB); Gilmário Ricarte Batista (UFPB)
DIAS: 15 de junho de 2017
HORÁRIO: 14h às 18h
LOCAL: SALÃO CIRCULAR

Carga Horária: 4h

Vagas Disponíveis: 2

TOP